segunda-feira, 1 de janeiro de 2018

À inveja

 À inveja


Ai se eu pudesse
matar esse vírus maligno,
que destrói,
que corrói,
não me importava,
que me chamassem assassino...
E por ter dó
de todo o ser humano,
onde prolifera sentimento
tão mesquinho,
eu pediria a Deus,
todo poderoso,
a cura dessa doença
e o perdão
para todo o invejoso!

Saudade

Saudade


Dizem que o regresso
às origens,
é sinal de muita idade,
mas eu creio
e com razão,
que é apenas saudade!
Saudade do chão
que pisámos,
do ar que respirámos,
do colo que nos acalentou
e até daquela solidão,
que nos obrigou a lutar,
a meditar
e a ser um bom cristão!...

A infância perdida

A infância perdida


Procuro muitas vezes
no passado,
uma recordação feliz,
uma lembrança,
porém, só me vem ao pensamento,
tudo o que para mim,
foi sofrimento...
Mas rebuscando bem
na minha mente,
com perseverança,
dessa infância já esquecida,
no tempo já perdida,
nem me recordo já,
que fui criança!

sábado, 30 de dezembro de 2017

Faltei ao prometido

Faltei ao prometido


Não cumpri a promessa,
porque os cem anos
vêm longe,
por isso peço perdão
do terceiro livrinho
vos ir parar à mão!...
O bichinho da escrita
não me larga,
acompanha-me
para onde quer que eu vá...
Sei que são simples
os meus versos
mas, para mim,
melhor não há!
Não são eruditos,
próprios de um intelectual,
não têm metáforas,
que causem sensação,
nem palavrões,
que ninguém entende...
Mas têm de certeza
a preocupação,
de dizer o que sinto
e sentir o que digo, 
com firmeza
e todo o coração!...


O poeta é sensível

O poeta é sensível


Tenho sensibilidade
de poeta,
mas sem um laivo
de vaidade...
Transbordam de mim, 
ondas de alegria,
vagas alterosas de lamentos
e de solidão,
que se espraiam
numa praia deserta,
onde existe apenas, um coração
cheio de magia,
a boiar num mar
de pura fantasia!...

sexta-feira, 29 de dezembro de 2017

O negro ano que terminou

O negro ano que terminou


Ai este 2017
que terminou
e deixou atrás de si,
terra queimada,
gente destroçada,
tanta lágrima derramada!
Tanto sonho por realizar!...
Ai este 2017!
Crianças amarguradas,
a sofrer,
por atitudes nojentas,
guerras sangrentas,
que não conseguimos entender!...
Mas, para suavizar
a nossa revolta,
o nosso desejo de vingança,
Jesus volta a ser criança
inundando o nosso coração
de amor, perdão
e aquela enorme esperança,
que no mundo,
haja para melhor, uma mudança!...

Ao fogo assassino

Ao fogo assassino


A este fogo assassino,
qual monstro feroz,
que devora a natureza
junto a minha revolta,
pelo cenário de horror
à minha volta...
E essa natureza,
não pára  de chorar
lançando para o ar
em jeito de faúlhas,
as suas lágrimas de dor,
de desalento,
que às minhas de mágoa
se vêm juntar!...